Voltar ao Blog
Adicional de Insalubridade Pontomais

Adicional de insalubridade: Entenda o que é e quem tem direito

Gabriel Colombo

Chega de trabalho manual!

Conheça mais sobre o sistema de controle de ponto que reduz em até 50% o trabalho do seu RH.

Saiba Mais
Saiba Mais

Muitas pessoas não sabem, mas a legislação trabalhista brasileira prevê o pagamento de adicional sobre o salário para os casos em que é constatado que o trabalhador exerce suas atividades exposto a riscos. Por isso, é muito importante que as empresas saibam o que é insalubridade e periculosidade.

Ficar por dentro do assunto é obrigação das empresas, afinal, qualquer equívoco na hora de efetuar o pagamento dos colaboradores pode resultar em uma ação na Justiça do Trabalho. Pensando nisso, neste post, esclarecemos as principais dúvidas sobre o adicional de insalubridade. Continue a leitura!

O que é o adicional de insalubridade?

O adicional de insalubridade é um instrumento legal de compensação ao trabalhador por períodos de trabalho exposto a agentes nocivos, com potencial para prejudicar a sua saúde de alguma forma.

Esse benefício é reconhecido pelo Ministério do Trabalho e está previsto na Consolidação das Leis do Trabalho – CLT nos artigos 189 a 197. Além disso, a Norma Regulamentadora NR-15 determina quais são os riscos passíveis de gerar o benefício.

Como é definido quem receberá o adicional?

A NR-15 define os critérios a serem observados de acordo com o risco a que o trabalhador está exposto. Atualmente, ela considera que devem receber adicional de insalubridade aqueles que exercem atividades que envolvem os seguintes riscos:

  • Ruído contínuo e de impacto;
  • Calor e frio;
  • Radiações ionizantes e não ionizantes;
  • Condições hiperbáricas;
  • Vibrações;
  • Umidade;
  • Agentes químicos (caracterizados por limite de tolerância ou por atividade);
  • Poeiras minerais;
  • Agentes biológicos.

É importante ressaltar que cada tipo de risco considerado na norma será avaliado através de parâmetros específicos. Cada tema é tratado em um anexo diferente da norma, totalizando treze anexos vigentes.

Atividades que envolvem o risco de ruído contínuo, por exemplo, só são consideradas insalubres após a realização de estudos que comprovem a relação entre o nível do ruído com o tempo de exposição. Assim, trabalhadores em atividades que tenham níveis altos de ruído, mas em que o tempo de exposição seja curto, podem não se encaixar nos critérios para o adicional de insalubridade.

Por outro lado, no caso dos ruídos de impacto (aqueles sons de batidos ou estampidos, que apresentam picos com 1 segundo ou menos de duração), avalia-se somente se o trabalhador está ou não exposto ao risco, independentemente do tempo de exposição. Os anexos tratam tanto dos limites de tolerância quanto das metodologias de análise e aferição, quando for o caso.

Como o adicional de insalubridade é calculado?

O adicional de insalubridade pode variar de acordo com o grau da mesma. Prevê o pagamento de 10% para o grau mínimo, 20% para o médio e 40% para o máximo.

O artigo 192 da CLT aponta como referência o salário-mínimo da região, mas o tema é polêmico: há decisões judiciais que obrigam o pagamento adotando como referência o salário do trabalhador, ou até mesmo o salário-base da categoria.

Como dito anteriormente, cada anexo da NR-15 determina qual percentual será pago para cada situação de risco.

O anexo 8, por exemplo, determina que a exposição à vibração acima dos limites de tolerância caracteriza insalubridade de grau médio, independentemente do excesso. Já o anexo 13 diz que o percentual depende do agente químico e da atividade, não cabendo avaliação quantitativa.

Planilha Cálculo Horas Extras

Quais são os graus de insalubridade e como fazer essa classificação?

Os graus de insalubridade são determinados pela Norma Regulamentadora 15, que os classificam em níveis máximo, mínimo e médio. Veja o que a normativa estabelece:

  • 15.1.4: Comprovadas através de laudo de inspeção do local de trabalho, constantes dos Anexos n.º 7, 8, 9 e 10;
  • 15.1.5: Entende-se por "Limite de Tolerância", para os fins desta Norma, a concentração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante a sua vida laboral;
  • 15.2: O exercício de trabalho em condições de insalubridade, de acordo com os subitens do item anterior, assegura ao trabalhador a percepção de adicional, incidente sobre o salário-mínimo da região, equivalente a:
  • 15.2.1: 40% (quarenta por cento), para insalubridade de grau máximo;
  • 15.2.2: 20% (vinte por cento), para insalubridade de grau médio;
  • 15.2.3: 10% (dez por cento), para insalubridade de grau mínimo.

Como efetuar esse pagamento?

Desde o dia 01 de janeiro de 2019, o valor do salário-mínimo brasileiro é de R$ 998,00. Se o adicional de insalubridade é calculado com base nesse montante, o cálculo deve ser feito da seguinte forma:

  • Grau mínimo: R$ 998,00 x 0,10 = R$99,80
  • Grau médio: R$ 998,00 x 0,20 = R$199,60
  • Grau máximo: R$ 998,00 x 0,40 = R$399,20

Sendo assim, as empresas devem contratar um engenheiro de segurança do trabalho ou médico do trabalho que saiba classificar o que é insalubridade para emitir o laudo necessário, incluindo o grau classificação. A partir daí, é obrigação da empresa fazer o cálculo e acrescentar o valor à remuneração do contratado.

É necessário ter certa atenção no caso das atividades que apresentam mais de um fator de insalubridade. Para essas situações, a organização deve considerar apenas a de grau mais elevado. Ou seja, o acréscimo não tem efeito cumulativo.

Insalubridade ou periculosidade?

Como abordado anteriormente, a insalubridade é caracterizada pela exposição em caráter habitual a agentes químicos, ruídos, calor intenso, poeira ou qualquer outro agente nocivo à saúde.

Existe, ainda, outro dispositivo legal que prevê pagamento de adicional nas atividades consideradas perigosas. O conceito de periculosidade é diferente da insalubridade, pois o trabalhador não fica exposto diretamente ao agente nocivo, embora exista possibilidade de se ferir ou morrer em decorrência da sua atividade. As atividades perigosas são abordadas na NR-16.

Quais as diferenças de cálculo e pagamento de ambos os adicionais

Há diferenças entre insalubridade e periculosidade com relação ao pagamento. O adicional de insalubridade é pago sobre o salário-mínimo, enquanto o de periculosidade define-se por 30% calculados sobre o salário-base do profissional.

Os dois também são distintos ao que se refere à permanência ou habitualidade. As duas situações não apresentam relevância para caracterizar a periculosidade – diferente da insalubridade – já que basta um segundo de exposição a uma condição perigosa para que o empregado perca a vida.

No entanto, para que os profissionais recebam a verba, é necessário que uma perícia no local de trabalho ateste o real perigo e, ainda, se ele pode ou não ser eliminado pela utilização dos equipamentos de proteção. Caso isso seja possível, é excluído o direito ao recebimento do adicional:

a) com a adoção de medidas de ordem geral que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância;
b) com a utilização de equipamento de proteção individual.

É importante que toda empresa saiba o que é insalubridade e periculosidade. Mais que isso, é imprescindível que tenha conhecimento sobre as condições em que seus trabalhadores exercem suas atividades para que, assim, busque formas de amenizar possíveis riscos.

Desse modo, se preserva a saúde dos colaboradores e, consequentemente, se evita o pagamento de multas e outras despesas altas, como sentenças judiciais.

E então, conseguiu entender melhor o que é insalubridade e como funciona o pagamento do adicional? Se você gostou do nosso artigo e achou o conteúdo relevante, que tal curtir a nossa página no Facebook e ficar por dentro das nossas atualizações a respeito das questões relacionadas ao departamento pessoal?

Leia nosso novo artigo com 4 DICAS SOBRE CONTROLE DE DESPESAS.

A Pontomais é a maior plataforma de Controle de Ponto da América Latina. Intuitiva, econômica e segura, somos mais que um sistema de controle de ponto, somos seu parceiro para um RH mais fácil e estratégico. Garantido que as empresas estejam dentro da lei e evitando passivos trabalhistas.

Diminua a burocracia usando tecnologia simples e ganhe tempo para cuidar das pessoas e do seu negócio. Clique aqui, conheça a Pontomais e venha revolucionar a gestão da sua empresa.

Até mais. 🙂

Compartilhe nas redes sociais: 

Mais posts do blog

Funil de vendas: o que é, dicas e vendas online

Confira as dicas para produzir conteúdo em cada uma das etapas do funil de vendas e transforme o usuário da internet em cliente.

Ler mais

Como automatizar processos com uma comunicação humanizada

Humanizar a comunicação é o caminho para o bom relacionamento com clientes e colaboradores. Saiba como usar a automatização para otimizar os processos.

Ler mais

Dúvidas sobre ponto eletrônico: Esclareça as 7 principais conosco!

Apesar da importância do controle da jornada pelas empresas, muitas ainda têm dúvidas sobre ponto eletrônico. Tire as principais dúvidas sobre controle de ponto aqui.

Ler mais

Fique por dentro do mundo de RH!

Faça o cadastro em nossa newsletter para receber nosso conteúdo novo, sempre fresquinho!

Conheça a Pontomais

Gestão de jornada na palma das mãos

Nosso App e Software de Controle de Ponto vai tornar sua vida mais fácil

20/03 18:01
R. Padre Anchieta, 2310, Mercês, Curitiba-PR
BANCO DE HORAS
+23:42

Que tal fazer um teste Grátis?

Experimente grátis por 14 dias o melhor sistema de Controle de Ponto da América Latina
COMEÇAR AGORA
Muito Obrigado. Clique AQUI para acessar a Pontomais
Oops! Alguma coisa deu errado ao enviar o seu cadastro! Tente novamente.

Estamos preparando sua conta...